sábado, 26 de janeiro de 2013

Belém

4 comentários:

  1. A figura da mulher a correr humaniza o espaço onde grua e guindaste se impõem ao rio. Gosto!

    ResponderEliminar
  2. Fico sempre algo constrangido a tirar fotos a desconhecidos por não saber se se importam ou não. Mas aqui a pessoa não está identificada, é apenas um vulto, por isso acho que não há problema...

    ResponderEliminar
  3. Pois, não sei como resolver o dilema a não ser perguntando à pessoa se não se importa de ser fotografada, mas essa situação, aqui, não se coloca: não só não se lhe vê o rosto,como a figura está desfocada, sendo improvável que alguém a reconheça.

    ResponderEliminar
  4. Perguntar nem sempre é possível. Eventualmente, só à posteriori e mesmo assim nem sempre.

    ResponderEliminar